Jornal da Sociedade Farmacêutica Lusitana

Em 1933 com a Organização Cooperativa imposta pelo regime de António de Oliveira Salazar, a Sociedade Farmacêutica Lusitana foi forçada a unir-se com outras associações da classe dando origem ao Sindicato Nacional dos Farmacêuticos. Este acontecimento deu origem ao final do Jornal da Sociedade Farmacêutica Lusitana [2].



Bibliografia

[1] – Exposição de Obras Antigas e Revistas Portuguesas de Farmácia. (1972) Biblioteca Nacional de Lisboa. XXXII Congresso Internacional de Ciências Farmacêuticas.

[2] – Silva, A.C. Correia da (1998). Farmácia: História e Profissão. Colectânea de Estudos e Ensaios. Lisboa: Ed. Ordem dos Farmacêuticos.

O Jornal da Sociedade Pharmaceutica de Lisboa foi criado em 1836. Este foi o primeiro jornal de Farmácia a ser publicado em Portugal, e um dos mais antigos na sua categoria no mundo, uma vez que apenas alguns periódicos com a mesma temática o antecederam [1].



Em 1837, a Sociedade Farmacêutica de Lisboa altera o seu nome para Sociedade Farmacêutica Lusitana mudando também, obviamente, o título da sua publicação periódica [1]. O Jornal da Sociedade Farmacêutica Lusitana foi publicado entre 1838 e 1933, apenas com alterações na sua regularidade durante determinadas épocas nomeadamente durante o período da primeira Grande Guerra Mundial onde apenas se publicou um escasso número de fascículos [2].